Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2019 > 08 > Servidores do Ministério da Economia começam a utilizar sistema digital de frequência

Notícias

Servidores do Ministério da Economia começam a utilizar sistema digital de frequência

Ponto eletrônico

Inicialmente, cerca de 1,6 mil poderão ser beneficiados com a adoção do banco de horas
por publicado: 01/08/2019 10h42 última modificação: 01/08/2019 10h51

Parte dos servidores públicos do Ministério da Economia (ME) começaram nesta quinta-feira (1º/8) a utilizar o Sistema de Registro Eletrônico de Frequência (Sisref). A implantação da ferramenta digital de frequência foi iniciada em três secretarias: a de Gestão e Desempenho de Pessoal (SGP); a de Gestão Corporativa (SGC); e a do Tesouro Nacional (STN).

A medida atinge, inicialmente, cerca 1,6 mil servidores, que poderão ser beneficiados com a adoção do banco de horas. As demais áreas do Ministério devem iniciar o uso do ponto eletrônico ao longo deste segundo semestre.

Tire suas dúvidas sobre o ponto eletrônico

“Esta é uma das ações de modernização da administração pública. Ao implantar o registro eletrônico, vamos acabar com controles manuais e fazer um melhor aproveitamento da nossa força de trabalho. Tecnologia, informação e e eficiência, sempre buscando melhorar a prestação de serviço para a população”, explica o secretário de Gestão e Desempenho de Pessoal, Wagner Lenhart. Segundo ele, o Sisref deverá ser utilizado por cerca de 410 mil servidores até o fim do primeiro semestre de 2020.

Iniciada em julho, a implantação do Sisref já foi feita em três órgãos: Advocacia-Geral da União (AGU), Agência Nacional de Cinema (Ancine) e Universidade Federal de Tocantins (UFT). Ainda em agosto, servidores do Ministério do Meio Ambiente (MMA) e da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) também registrarão a sua frequência digitalmente com o Sisref.

Tela do Sistema de Registro Eletrônico de Frequência – Sisref

Integração

Uma das principais vantagens do Sisref é a possibilidade de integração com outros sistemas. Assim, os órgãos e entidades que já possuem dispositivos próprios de controle eletrônico de frequência terão mecanismos para integrar com o fornecido pelo ME, o que amplia a transparência dessas informações.

O uso do Sisref atende à Instrução Normativa nº 2, de 12 de setembro de 2018, que torna obrigatório o registro eletrônico para implementação do banco de horas. Ficam excepcionados do controle os servidores que se enquadram nos casos previstos no Decreto 1.590/95. Entre eles 146 mil professores das universidades públicas federais e funcionários com função comissionada (DAS) iguais ou superiores ao nível 4. 
“O banco de horas é uma ferramenta de gestão, podendo ser adotado para a execução de tarefas, projetos e programas de relevância para o serviço público”, esclarece Lenhart.